Ressonância magnética: formas de aprendizagem

29/09/2018

Considerada a “pedra no sapato” da maioria dos estudantes de radiologia, a ressonância magnética é uma técnica complexa e abstrata. O exame, para diagnóstico por imagem que retrata imagens de alta definição dos órgãos através da utilização de campo magnético, exige que muitos desenvolvam estudos, critérios e etapas para a compreensão do procedimento.

E as formas de estudar e entender a ressonância magnética foram apresentados pela Tecnóloga em Radiologia e mestre em Engenharia Biomédica, Andressa Caron Brey durante o 1º Congresso de Radiologia – Conhecimento e Novas Tendências, da Faculdade Ilapeo. De acordo com Andressa, a ressonância é uma das técnicas mais desenvolvidas da área da radiologia, e que exige um estudo contínuo e atualização de protocolos.

Para o melhor entendimento a profissional orienta que o estudante identifique a forma de receber a informação, se de maneira cinestésica, visual ou auditiva. A partir disso, ressalta, é possível desenvolver fluxogramas ou mapas mentais para auxiliar o estudo e a compreensão. “Por isso o aluno precisa redefinir a relação com a escola e saber qual o seu papel”, disse.

ANDRESSA CARON BREY

- Tecnóloga em Radiologia pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).
- Mestre Profissional em Engenharia Biomédica (Programa de Pós-Graduação em Engenharia Biomédica - Física Médica) pela UTFPR.
- Licenciada em Matemática Plena pelo Programa de Formação de Professores da UTFPR.
- Tem experiência na área Ressonância Magnética e Educação.
- Atualmente é professora do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) do Estado do Paraná.