Como a mamografia pode ajudar na detecção precoce do câncer de mama

29/09/2018

A mamografia ainda é a ferramenta mais importante para o diagnóstico da detecção precoce do câncer de mama. O rastreio correto reduz em 30% a mortalidade. As informações são da Tecnóloga em Radiologia e Mestre em Engenharia Biomédica pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Pricila Messias, que abordou o assunto durante o 1º Congresso de Radiologia – Conhecimento e Novas Tendências, da Faculdade Ilapeo.

Segundo a profissional, a mamografia detecta lesões a partir de um milímetro, o que a torna um método considerado padrão ouro, sendo extremamente eficaz. No Brasil existem cerca de 3.600 equipamentos de mamografia, cujo número é considerado suficiente. No entanto, pondera Pricila, isso só será realmente suficiente dependendo do papel do profissional. “O diagnóstico precoce é possível por meio da boa atuação do profissional que realiza o exame, pois a sua qualidade precisa ser uma rotina de trabalho, e que irá influenciar diretamente no sucesso do diagnóstico”.

Pricila destaca que um equipamento bem calibrado e a educação continuada, associada a treinamento personalizado dos profissionais, tem impacto direto na qualidade dos exames e na precisão do diagnóstico. Assim como, a interação entre médicos e técnicos também reflete diretamente na detecção da doença e no tratamento do paciente. E com isso, será possível reverter as estatísticas que apontam que só em 2018 serão diagnosticados 59 mil novos casos de câncer de mama.

PRICILA MESSIAS
- Tecnóloga em Radiologia e Mestre em Engenharia Biomédica pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).
- Especialista de aplicação na área de mamografia e tomossíntese mamária.
- Trabalha há 10 anos na área de mamografia.